quarta-feira, 1 de junho de 2011

A gente amadurece, o que é que se há de comer?

Teve um dia que eu cheguei da festa às 5h30 da madrugada. Tirei as botas, tirei as meias... e tirei quase todo o resto, porque até a roupa de baixo tinha aquela caatinga de cigarro barato. Vesti uma camiseta velha e fui atacar a geladeira, claro - porque em balada o estômago só recebe bebida safada, água aos litros e quem sabe um pastel frito num óleo que parece ter sido usado em motor de caminhão.

O "especial" daquela noite foi um pão já idoso recheado com carne chinesa pedida pelo delivery cinco dias antes e guaraná sem gás. De arremate, um teco de chocolate diet que alguém tinha esquecido lá em casa. Olhando hoje, eu acho que meu estômago de 20 e poucos anos era revestido de chumbo.

Naqueles tempos, comer não era uma prioridade, muito menos um prazer. Daí que a gente - eu e muitos, que eu sei - comíamos o que pintava. De preferência, o que fosse mais em conta também. E tivesse um bom grau de gordura, açúcar, sal, gás ou qualquer desses lances.

É só com os anos passando e passando que a gente se move na direção de uma alimentação toda "ada" - balanceada, equilibrada, qualificada e nada pesada. Seguimos como bons adultos no caminho das fibras, das verduras de verde mais escuto, dos legumes no vapor, da proteína magra, linda e gostosa como uma Gisele Bundchen deitada no meio do prato.

Ali na fronteira entre os 20-30, eu confesso que me debati um pouco com isso. Achava gostoso comer pizza fria no café da manhã, mas depois me dava um mal-estar... Queria muito matar um terceiro prato de feijoada, mas se eu botasse mais uma costelinha pra dentro, Adão em pessoa vinha me perseguir no pesadelo. As comidas punk já não eram minhas colegas. E aí eu notei que depois de dias comendo coisas em tons de vermelho, amarelo, laranja e marrom, me dava uma vontaaade de devorar uma salada!

Isso aí, salada. Quando a gente começa a ter VONTADE de salada, é sinal que a idade avançou. Porque salada é aquilo que a nossa mãe empurra pela nossa goela enquanto espreme nossas bochechas e segura nossos braços com os joelhos. Salada é comida de gente grande.

Pois não só eu passei a sentir vontade de uma boa salada como me agarrei com peixes de todo tipo, legumes estranhinhos, grão-de-bico. Grão-de-bico! Quando alguém entra na onda do grão-de-bico, pode fazer reserva no asilo.

Bom, hoje eu traço feliz tudo isso e mais a lasanha de berinjela, mais leve que a de carne, o pão integral e não o branco, queijo cottage, suco de maracujá sem açúcar em vez de coca. Não me entendam mal, eu ainda sou chegadíssima no pastel da feira, na pizza de sexta à noite e numa batata frita de saco. Eles só não são mais minha prioridade. A prioridade é comer melhor e prestando atenção. Mas se alguém aí me vir com couve-de-bruxelas no prato, pode encomendar o caixão.


Eu ri na cara dela, mas enfim fiquei amiga da pirâmide.
Já pode me chamar de Cleópatra

21 comentários:

Paula Baltazar disse...

E eu, que sempre adorei brócolis, grão-de-bico e couve, desde criancinha?
Já nasci com 80 anos. :-p

Sócia da Light disse...

Eu sempre te achei uma velhinha presa num corpo de menina. Os all stars são só pra desviar atenção, né?

Olha, quando eu era criança, Paulinha, eu ameaçava gorfar só de ouvir a palavra abobrinha. Hoje é meu legume favorito. O que dizer? Alguns já nascem espertos; outros, ainda bem, evoluem. Eu sou um Pokemon. Hihi.

Paula Baltazar disse...

Hahahaha! Pois é... não dá prá usar sapato de velhinha ainda. :-p

E quando eu era criança meu almoço favorito era arroz com abobrinha refogada!

Vai, pode internar! ;-)

Anônimo disse...

Tô vendo q essa vai ser a minha sina também.
Fazer oq né?! Quero bater o record daquela velhinha do guiness.
Bora rebolar. rssss
Josys.

Dark disse...

Eu não como salada, de nenhum tipo, minha vó me enche com isso, mas já disse pra ela que se fosse pra comer mato eu nascia cavalo pra ficar pastando.

Minha alimentação continua igual a de quando tinha 10, 11 anos, coxinha e coca de café da manhã e muito açúcar entre as refeições, só parei com a pimenta do reino salpicada no pão na chapa.

Dri_ disse...

Eu sempre fui bem normalzona pra comer.
Hoje tento um prato bem colorido (+1 pto), mas o feijão tem que ter bastante bacon (-1 pto); não uso tempero pronto nunca (+1 pto) mas detesto arroz integral (-1 pto); amo pão francês com manteiga (-1 pto) mas o suco de laranja é natural (+1 pto)... e assim vou tentando achar o equilíbrio, mesmo sem saber...

Chicória disse...

Rsrsrsrs... Verdade, um dia parece que a gente aprende finalmente a comer. O corpo nos obriga... Na minha gravidez a diferença entre jantar direito e lanchar alguma porcaria qualquer é dormir bem ou passar a noite em claro amargando uma azia ferrada...
Agora, couve-de-bruxelas, definitivamente, também está fora dos meus planos... Por enquanto, rs. :oD

Andressa disse...

Oi Flávia!
Primeiro: cheguei aqui procurando no Google o que estariam fazendo as Garotas que dizem Ni =)
Segundo: espero que essa evolução alimentar aconteça comigo também. Tô com quase 26 anos e melhorei um pouco desde a adolescência, mas ainda não cheguei no nível de gostar de saladas, mesmo tendo me tornado vegetariana. Minha paixão é por grãos, adoro arroz de todos os tipos e quinua (vc gosta? é suuuper saudável!). E também amo carne de soja! Mas os verdinhos só como em restaurantes, pra ninguém ficar reparando no meu prato. Quem sabe com a chegada dos 30 mude alguma coisa...
Beijos!

Nanael Soubaim disse...

Eu nasci velho, virei ancião aos dezoito e continuo rumo à matuzalenização. na juventude os hormônios ajudam a consertar o estrago, quando ficamos adultos, eles já terminaram seu turno e nós que nos viremos com as conseqüências de nossos actos.

Paloma disse...

Eu sempre fui chegada numa salada, fibras, essas paradas. E cenoura... Eu como cenoura crua.=P Pão integral acho que foi coisa da minha mãe mesmo que só comprava dele aqui em casa.
Acho que sou uma velhinha presa no corpo dos 19. =D

Dri_ disse...

Paloma, meu filho de 4 anos só come cenoura se for crua. E ama brocolis, couve flor, pepino! Mas pede mortadela no café da manhã rsrsrs

Daniele disse...

Também adoro cenoura crua :D. Adoro peixe, frango, fruta, legume, pizza e refrigerante. Acho que a única coisa de diferente que faço agora aos 28, é que como bem menos biscoito isopor. Não acho que nasci velha, nasci esperta pra comer, como cê disse, Flá.

Shayenne disse...

Sou um pouco como o Dark, apesar de não comer coxinha no café da manhã, não como salada de qualquer tipo...E sempre tem alguém mais velho pra observar isso na hora do almoço e criticar. Mas, como ainda estou nos meus 20, quem sabe daqui há uns 10 eu não mude de idéia [e paladar]? Por enquanto, continuo ignorando totalmente a pirâmide [o que já é melhor que debochar, né?!].

Agora deixa eu ir ali almoçar minha macarronada com um copão de coca! =)

Marcelo disse...

Desde a tenra infância gosto de salada, acelga, espinafre, brócolis, cenoura, odiava gordura, nunca fui fã de fritura (nem mesmo batata, acredita?), acho pão e arroz integrais muito mais saborosos, bebo refrigerante só a cada eclipse, e o mesmo com chocolate, só semestralmente me dá vontade de uma barrinha de alpino ou meio amargo. Sempre abominei os prestigios e chokitos da vida. Se o parâmetro for esse, nasci com duzentos anos, passo mal se ficar um dia sem comer comida "com sustança", arroz e feijão mesmo.
Só não suporto peixe nem beterraba, porque tudo tem limite!

Sara disse...

Alimentarmente falando, nunca saí dos cinco anos... Eu tenho me forçado a comer mais saladas e diminuir as besteiras, mas ainda é difícil. Espero mesmo que com a idade avançando eu comece a gostar mais do que o meu corpo realmente necessita. Eu sempre penso nisso, porque quero muito ter filhos, e pra forçá-los a ter uma alimentação saudável eu também terei que ter uma.

Cristiane disse...

Eu sabia que ia ver um comentário do Dark nesse texto. E sabia que ele iria dizer mais ou menos a mesma coisa que eu. Pela minha dieta eu ainda devo ter 10 anos, hoje mesmo eu comi um ovo de Páscoa do Bakugan quase inteiro (sim, em junho eu ainda encontro ovo de Páscoa pra comprar). Não consigo considerar salada como comida, só carboidratos e proteínas me fazem feliz. E pela primeira vez nesses 32 anos nessa indústria vital preparei um chuchu e uma abobrinha, mas foi para a sopinha do Pedro. Será que eu ainda tenho muito tempo de vida?

Grace Simpson disse...

Eu almoçava salgadinho até os 25 anos, depois a idade chegou e me pego as vzs pensando em um belo brócoli refogado com creme de leite! Odiava couve flor, beterraba e hj elas são as primeiras a entrar no meu carrinho, enquanto marido faz careta feito criança!!=(

Dri_ disse...

COMO ASSIM, MARIDO?

Grace, cê casou? Vamos ali na cozinha pra vc me contar rsrsrs

Ana Cristina disse...

Ai, faça-me parar de rir...Você é demais! Tô seguindo...

Ana Cristina

p.s. ainda não tô na fase do grão de bico não...

Anônimo disse...

Eu sempre comi de tudo o que era mais saudavel ou nao, quando creonca recusava nabo, jilo, chuchu e abobrinha. Hj eu ainda nao como jilo.
Mas com o peso muuuiiito acima eu fico pensando , pensando, pensando e pensando. Mas vira e mexe eh um coxinha safada no freezer, um camafeu me olhando ...(Sim aqui em Rochacha tem tudo isso e muito mais!)
Mica Mancada

Sara disse...
Este comentário foi removido pelo autor.