quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Não há nada como o tempo pra passar

Esse negócio de estar muito ocupado ganhou força de pandemia, não é, não? Sério, acho que vou checar junto à OMS. Parece que todo mundo está com "a gripe do Coelho Branco", aquele do País das Maravilhas que estava sempre atrasado, sempre correndo, sempre bufando e de olhos pregados em seu ridículo relógio.

Fico semanas e mais semanas sem falar com alguns amigos. Daí passo a mão no telefone ou acesso o e-mail pra conferir se, ué, estão vivos e operantes. A grande maioria não sumiu por motivo de viagem de férias ou problema no telefone. A grande maioria está ocupada DE-MAIS. Assim, em maiúsculas. E separando as sílabas para frisar bem.

O que será que deu em todos nós? Ficamos tão ocupados, ocupadíssimos, aimeudeus que ocupação! - e nem sabemos bem por que. Bom, eu não sei por que. Afinal, mesmo considerando o horário de verão, o dia tem o mesmo número de horas desde... bem, desde o Big Bang, acho.

E olha que a modernidade tentou nos ajudar. Ganhamos coisas eletro-eletrônicas para poupar tempo e encurtar distâncias. Não viajamos mais em lombo de burro, não lavamos fraldas à mão nem escrevemos cartas à caneta, selamos e colocamos na caixinha do correio. Nada disso. Devíamos ter tempo de sobra - mas só o que sobra é a carcaça cansada de todos nós no fim do dia.

O que será que nos ocupa tanto? Trabalho? Bom, meu avô Mário também tinha trabalho. Tinha uma porrada de trabalho. Saía de casa cedo todo dia, rejuntava casas e edifícios por umas oito horas e só voltava à noite (sem ter jogado nem 5 minutos de Paciência ou entrado uma vez sequer no Facebook). Ainda assim, ele tinha tempo de bater corda pra gente pular, de ir no bar beber uma pinguinha, de assistir o Roletrando e de ficar horas sentado no murinho do gás, só vendo a vizinhança passar.

Se não é trabalho, é a casa? Mas as casas de hoje não são de dar trabalho. A gente pode colocar roupa na máquina, meter sabão na caixinha, se aproveitar do poder O2-limpeza-pesada e deixar tudo lá, batendo e limpando. E antigamente, que o povo precisava sovar aquilo tudo no muque - lençóis inclusive, credo! - e botar pra quarar, e pendurar pra secar, e dobrar, e passar...? E eu nunca soube de uma dona dessas, das antigas, reclamando de estafa.

Temos aspiradores, temos microondas, temos carros, motos e metrô. Temos internet, temos telefone e temos celular que recebe e-mail enquanto avisa sobre os compromissos, paga as contas e mede a glicemia do dono (ok, isso ainda não temos, mas o Steve Jobs nunca dorme, então...). Ainda assim, deixamos de prestar atenção nos amigos, nos namorados e namoridos, nas crianças. Deixamos de almoçar e jantar com calma, deixamos de dormir pesado, deixamos de caminhar olhando o bairro. Se bobear, deixamos de ler a bula do remédio porque estamos com pressa demais pra reparar que, o-oh, aquela fórmula causa baixa na libido!

A gente não devia ficar assim, tão ocupado. Faz mal. Faz mal físico e psicológico. E, pior de tudo, faz mal por um motivo muito simples: o tempo não volta. E se a modernidade economizou tanto dele pra nós, ele não pode estar em falta. O mais provável é que esteja por aí, perdido em alguma tarefa inútil. Devíamos é nos ocupar de recuperá-lo.

13 comentários:

mihuda disse...

Pra variar um pouco a sra. tirou as palavras do meu coração. Há uns dois meses ando sem tempo, me perguntando pra aonde ele ta fugindo que me escapa diariamente.
Dormindo uma média de 4hs dia a vida realmente tá triste, mas to tentando sair do ciclo vicioso dando prioridade ao que realmente importa. Como não pular refeições. Caminhar parte do caminho para casa, apreciando uma paisagem que fica estática quando se esta dentro do ônibus na volta pra casa.
Tenho que te confessar que ta sendo dificil até lembrar como era a vida antes dessa loucura, mas tenho fé de que conseguirei deixar o estágio zumbi e voltar a ser um ser humano sem sequelas. :D
Pra vc ver como é ridicula essa falta de tempo, só na semana passada consegui parar para ler teus últimos textos e eles ajudaram a enxergar que realmente o tempo vai, não volta e que sim, a beleza da vida está nos detalhes!!!

Monique disse...

Nem fala, Flá =/ Já me perguntei essa mesma coisa.

Acho que a gente tem que produzir muito mais do que antigamente. Deve ser isso. Absorver mais coisa, produzir mais. E dividir o tempo com a procrastinação. =P

Dri_ disse...

Flor, com os devidos créditos posso repassar esse texto pra algumas amigas?
E vou pregar na minha geladeira também, tá?

A Sócia da Light disse...

Hahaha! Pode, Dri, passa pra quem quiser. Precisa ver se elas terão tempo de ler. :-X

Monique, acho que acertou duplamente, flor: exige-se muita produção mesmo (o que me parece um exagero) e, até por isso, procrastinar virou arte. O mundo dá uma preguiça às vezes, né? Ai, ai...

Paulitcha, vai passar. Persevera que passa. Só não deixa demorar muito, porque parece que esse excesso de ocupação, uma vez que pega a pessoa, começa a parecer "normal" e não larga mais!

Gabriela Petrucci disse...

Esse texto foi um tapa na minha cara, Flá! *vergonha*
Mas juro que é culpa do meu colégio maldito que coloca aula nos horários mais exóticos, do cursinho noturno e do estudo vespertino!

Kiki disse...

Puxa vida, eu nunca comento aqui (apesar de sempre ler!) mas eu tenho que dizer que simplesmente adorei esse post!

Vou pensar nisso pelo resto do dia (que por sinal tá acabando e passadno rápido demais :P)

Enfim, amo seus textos, Flá! (e ando com o livro do Garotas na mochila pra se um dia te encontrar por Sampa pedir um autógrafo :D)

Abraços de uma fã aleatória ;)

Kiki

Clá disse...

Flá, meu problema não é tempo...pq eu seeempre arrumo tempo pra ver meus amigos, sair com os afilhados e fazer o que gosto...meu problema é que sou esquecida mesmo...me esqueco de ligar, mandar e-mail, mandar um recadinho no twitter... aposto que 30% das pessoas usa o tempo como desculpa para lapsos de memória..eu faço isso!!!

Marcelo disse...

Isso me lembra exatamente uma tirinha do Calvin, em que o Calvin se queixava, olhando uma comida enlatada, "6minutos no microondas? Quem é que tem todo esse tempo?" e o pai dele dizia que a tecnologia não nos relaxava, deixava tudo mais agitado.

Pat Nefertiti disse...

Sempre estou por aqui conferindo seus textos, mas nunca comentei. Não é que ache chato ou bobo interagir e dar retorno a um trabalho que é feito com carinho. Mas porque as vezes sinto que meu comentário é óbvio demais.
Desta vez tive que deixar essa impressão de lado, porque por mais óbvio que pareça, eu preciso dizer que seu texto pode mudar muita gente. É uma grande oportunidade de reflexão para os ocupados da vida...os que deixam passar coisas importantes, mas que sempre acham um minuto pra algumas bobagens.
Como eu estou tentando aproveitar cada minuto com o que realmente importa, achei esse texto fantástico, Dona Flá Wonka!

Nanael Soubaim disse...

Eu notei alguns sintomas em gente próxima que contribuem para isto:

- Todo mundo quer tudo agora e na potência máxima, e tu tens que estar disponível para ajudar;

- Ninguém aceita um "não" como resposta e quer brigar se sua vontade não for satisfeita ontem;

- As pessoas passaram a discutir demais, temendo serem anti-democráticas ou sei lá o quê, e não admitem que alguém comece a agir até a discussão eterna findar;

- Máquinas não questionam e estão em toda parte, logo todos acham que agir assim é o normal;

- As pessoas de hoje pensam que "vaca" é um termo técnico para "geladeira do mercado" e não têm (nem querem ter) idéia do trabalho que dá para tirar o leite, mesmo comordenhadeira mecânica, acham que tudo é fácil para os outros;

- O que são as relações pessoais quando o mundo está pegando fogo, inclusive pelo desrespeito aos direitos e liberdades individuais?;

- Ser neurótico deixou de ser doença, hoje é o estado normal das pessoas. Doente sou eu.

Mari Z. disse...

Ai, Flá... tudo tão verdadeiro, viu?

Beijos, minha flor!

Mari.

A Sócia da Light disse...

Caramba, todo mundo tão mexido com esse texto... vocês devem estar a) ocupados demais; b) com saco bem cheio de gente ocupada demais. :-]

Kiki, Gabi, também não precisam se cobrar tanto, hein? Pior que ser/estar muito sem tempo é passar por isso com culpa. ;-]

Clá, acho que de fato muitos usam a pressa como desculpa. Alá permita que seja isso! Porque prefiro saber que você é distraída, não enlouquecida. :-D

Marcelo, eu lembro dessa tirinha! Calvin é de uma sapiência, viu...

Pat, não fala assim que eu fico corada... :-] Mas nem pensei em mudar muita gente, não. Mudar só um já basta. Eu, talvez! :-X

N., o último tópico tem minha assinatura embaixo... pena.

Maricota, beijo na bochecha! :-*

moniquinha disse...

E eu,que com tempo de sobra,resolvi voltar a estudar e já posso reclamar que não tenho tempo!!ehehe.

Sério,parece que não podemos mais ficarmos numa nice,que é pecado/errado ,termos tempo livre,então, agora,ninguém me "inveja" mais.ehehe

Adorei o texto,muito verdadeiro.