segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Limpa-trilho

Quando eu era pequenininha, não tinha muita crise pra comida, não. A bem da verdade, existem umas quatro ou cinco fotos em poder da minha mãe que comprovam: limpar o prato - com as mãos, com a cara, sorvendo o macarrão loucamente e ficando com pinta de Bozo - era comigo mesma. Mas é claro, sempre tem isso ou aquilo que não desce.

Abobrinha, por exemplo, não descia. Achava verde demais. Detestava lentilha, torcia bastante o beiço pra cebola e grão-de-bico e tinha uma baita náusea de ovo mole. Pêra também não queria, assim como aquela estranha maçã farelenta. E era perda de tempo vir com bifes de fígado, pimentão ou comida com salsinhas e cebolinhas picadas muito grande.

Felizmente, a gente cresce e a maioria das torcidas de nariz vai-se embora. Abobrinha, por exemplo, é hoje meu nome do meio. E amo lentilha, principalmente como sopa. Cebola? Crua, cozida, assada no churrasco, me manda! Ok, o ovo pode estar com gema mole, mas clara dura. E o fígado, o pimentão e os verdinhos aparentes... Bom, isso é só o que eu continuo passando, muito obrigada.

Acho que grande parte das frescuras vai embora porque a gente entende que, ferrou, o mundo tem hoje 6 bilhões de pessoas. Numa boa, não vai ter comida pra todo mundo por muito mais tempo. Se começarmos a selecionar demais, seremos os primeiros a ser abatidos em praça pública. Melhor rapar logo o prato, com a cebola que for, e seguir andando.

Há poucos dias, me peguei inclusive passando de fase: pela primeira vez, fiz sozinha grão-de-bico! Eu já tinha notado que era gostoso, mas era um prato que eu deixava pra minha irmã ou minha mãe fazerem nos eventos familiares. Numa boa, é trabalho escravo ficar lá tirando pelinha de grãos com cor de parede, fazfavor... Pois me imbui da coragem, comprei o saquinho, pus de molho de 2 a 3 horas, cozinhei na pressão por 15 minutos e fiquei retirando as tais pelinhas por uns 1.547 anos.

Feito salada, com tomate picado e temperos, ficou delícia! Recomendo rever as frescuras de infância. Com o tempo, a gente melhora de gosto. E o grão-de-bico também.



Trabalho escravo bem gostoso


12 comentários:

Amandinha_ct disse...

Eu era assim com tomate, não podia ver que já perdia a fome...
Já hoje em dia, refeição completa de verdade tem que ter salada de tomate! Tomatinhos cereja, então, uma delícia!!

Anônimo disse...

Hummmmmm

sou chegada num grão de bico,aliás,faz tempão que não como,pq,assim como você,tenho preguiça de preparar coisas mais elaboradas,qto a comer de tudo,ai não dá,fico devendo,tá?

Bjos

Anônimo disse...

Moniquinha ,da mensagem anterior.

grrrrrrr

Mari Z. disse...

Hahahah, adorei sua teoria de extinção começando pelos frescurentos, Flá! E posta uma das fotos da Bozolina aí, vai?? :-D

Eu nunca fui muito frescurenta pra comida, desde criança sempre raspei o prato -- com exceção da gordura de qualquer tipo de carne, que eu continuo passando, blergh.

Aí eu formulei a seguinte teoria: pra botar em prática o plano de rodar o mundo, eu tenho que começar a treinar o estômago, certo? Por isso, já decretei que, pra mim, qualquer coisa vai se tiver um copo de Coca por perto. Só não sei se vai ter o tal refri quando eu estiver provando entranhas de algum bicho estranho num vilarejo dos confins da Índia, mas tudo bem... hahaha.

E a Sá, é boa de garfo também??

A Sócia da Light disse...

Ah, a Sabrina é ótima de garfo, Mari. Principalmente quando um segura e o outro enfia a comida na goela. ;-]

Mas ela vem melhorando bem. Curiosamente, ela não tem frescura nenhuma, come de um tudíssimo! Só que come pouco.

Menos no restaurante japonês, que lá ela devora até o palito e dá prejú. rs!

mihuda disse...

A teoria dos fracos irem primeiro eh muito boa, mas ainda voto na que diz que quando crescemos o gosto muda mesmo. Percebi isto quando aos 13 anos fiquei com vontade de comer beterraba, coisa antes inimaginavel.
Assim como a Mari ai em cima, gordura e nervos de carne nao me descem. Passo horas retalhando bifes, mas nao me aventuro a engolir tais coisas. Sei la, nao curto coisas com consistencia de chicletenta, assim lula e polvo tambem estao fora da minha lista.
Mas como vc, hoje meu nome do meio tambem eh abobrinha. Meu namorado nao consegue entender esse meu amor por elas, na verdade nem eu, mas ele existe. Chuchu e brocolis tambem soh entraram na minha dieta depois de grande.
E como a Sasa mando muito bem quando estou num japa, tirando os itens ja mencionado dispenso ovas e peixes com pele, o resto... pode passar pra ca! ;)

Nanael Soubaim disse...

Felizmente nós crescemos e descobrimos que estávamos errados. Somos da mesma turma, Mamma 8)

Moni disse...

Que trabalho de escravo mesmo, que bonitinha, queria ver!

Eu sou boa de garfo, gosto de quase tudo....adoro experimentar comida nova!

Sempre que como vagem na manteiga, meus pensamentos sao para vc! <3

Vamos sentar juntos a Sabrina e o Julian que adora o palitinho, mas nem sei se devoraria tudo no japonês!

Patty Maionese disse...

Minha mãe sempre me bota pra ajudar a tirar pelinha do grão de bico.
Eu sou a Miss Frescura quando o assunto é comida. Mas juro que estou fazendo força pra melhorar.

Dani disse...

Nunca comi grão-de-bico. É bão mesmo? Eu sou boa de garfo, mas é difícil provar coisa q nunca comi. Depois de mais velha q fiquei mais chata, foi o contrário. Mas amo de pizza a quiabo e fruta é comigo mesma.

Moni disse...

quiaboooo?? nem lembrava desse....nem sei como chamar! guaaaacaaalaaaa!

Lady Sith disse...

Bife de fígado é uma das minhas comidas preferidas!

E eu sou a escrava preferida da minha mãe para tirar a pelinha do feijão branco. É minha tarefa desde pequena.