segunda-feira, 26 de abril de 2010

Full house

Sei muito bem que, há poucos dias, estava eu mesma aqui dissertando sobre como é bom está só. Mas todo mundo sabe que a solidão é boa quando é escolha, não condição, certo? Porque eu acho que não tem nada mais importante nessa vida, nada mesmo, do que ter gente por perto.

Ah, tudo bem, os momentos de paz e quietude são dádivas. É bom poder conversar nada de nada e trocar o canal da TV com o dedão do pé enquanto devoramos cookies molhados no toddy escuro por horas a fio. Mas isso só tem graça porque é a exceção, não a regra. Se fosse a regra... bom, logo poderia haver um episódio cardíaco e seríamos encontrados dias depois, meio comidos pelas baratas. E isso não é interessante, né, essa solidão eremita.

Ter gente perto não só é necessário como é legal. E faz bem pra alma, vai. E se nós não temos certeza disso no dia-a-dia, quando é um saco encontrar a tampa da privada malditamente erguida, é fácil de ver quando a vida aperta.

Quando a vida aperta, fica é óbvio. Estar na miséria e receber do amigo um convite pra fazer piquenique barato é um afago. Estar doente e ter quem traga a comida, a água e as cápsulas é um bálsamo. Estar desiludido, cansado, pressionado e com espinhas e receber um cafuné, um olhar compreensivo e um sorriso é a salvação.

Pra tudo isso, precisamos de gente perto. Pras horas boas e festivas, também! Quando o sábado chega ao meio-dia ou à meia-noite e o povo baixa aqui com travessas nas mãos, garrafas na sacola, umas risadas altíssimas, abraços apertados e histórias e mais histórias, eu me regozijo! Não quero que ninguém vá embora, não quero que a conversa acabe, não importa se já ficou tarde e se amanhã tem trabalho. Quero o pessoal. Quero o meu pessoal, seja ele de sangue ou de coração.

Muito bem, eu dei 10 razões por que é bom ficar só, não foi? Pois aqui vai uma só razão por que é bom estar acompanhado:

1. A vida faz muito mais sentido.

Este texto é dedicado à minha mãe (a bonitona da foto abaixo), que largou tudo pra vir aqui cuidar, cozinhar, conversar e muito mais. E pro Dono da Casa, que mesmo longe não deixa de zelar. E pra querida Fabiana, que está SEMPRE convidada pra uma visita. E pra minha Sabrina, a melhor companhia que há. E pra muito mais gente que, felizmente, povoa a minha solidão.

7 comentários:

Gabi Petrucci disse...

O duro é quando a gente precisa de companhia e todo mundo debanda! :(
Lindo texto, Flá!
E ainda quero saber o nome da pequenina! (A chata.)

Beijo

Dri disse...

Achei lindo o seu agradecimento.

Tbém adoro uma farra, mas quando precisei, cadê alguém? Onde? Chegar da maternidade com a barrigona cortada e não ter viva alma pra te trazer um copo d'água... realmente me fez muito mal (detalhe mórbido: minha mãe e mais tres irmãos moramos MUITO proximos).

Mas quando chega o domingo, esqueço essas mágoas e quero todo mundo almoçando aqui!

mihuda disse...

Que mãe bonitona Flá!
Adorei o texto!!!
beijinhos

Nanael Soubaim disse...

Ponto.

Amigo do seu Jaime disse...

Me senti um pouco inútil... rs!
Mas, efim. Amém! Beijo e se cuida!

Josy disse...

Tem nada melhor que se sentir amada(o).
"Bons são os momentos que passamos juntas". Foi a mensagem de texto que recebi da Mana mais velha sabado retrasado. Foi um afago na alma.

Tal Mãe, tal Filha. Lindas!
Bjo.

Moniquinha disse...

Flá,
coisa boa é ficar sozinha,mas melhor ainda é ter companhia agradável e que ainda cozinha,faz cafuné e dá todo carinho e atenção que precisamos..