quinta-feira, 29 de abril de 2010

A hora do anúncio

Aí você vai lá, segue os procedimentos escatológicos do teste de caixinha e, finalmente, descobre a melhor notícia de todas! Bebê à vista! Instantaneamente, passa um flash de coisas na cabeça - que deve ser como aquele de quando a gente está pra morrer, só que na versão boa. Tem imagens dos dias lindos que virão, das roupinhas que vamos comprar, das mamadeiras em fila... quase que dá pra sentir o cheiro de talquinho e lavanda no ar. E logo depois disso, começa-se a pensar na transmissão da notícia, claro.

O papai, é fácil e rápido de informar. Dono da Casa, por exemplo, foi tomado de assalto duas vezes já com frases desconexas ditas em volume explosivo e voz desafinada. Tipo "aimeusdeusMarachoquedoisrisquinhos cruzadosquerdizerqueeutôgrávida!!!". Logo seguidas de um "buááá" sem fim. Pai avisado, é hora da turma de sangue muito próximo.

Eu sei que tem gente que leva uns dias ou semanas ainda pra contar aos próprios pais. E acho bem compreensível, porque tem mãe que pira e começa a tricotar em desespero, dar conselhos estapafúrdios e pentelhar em nível máximo a vida privada do casal. Pra essas, seria bom tentar um "mãe, sabe onde eu estou? Na materni-da-de!". Assim, como quem não quer nada. Mas elas infartariam, então melhor liberar a notícia logo, fazer o quê?

Daí contamos aos amigos chegados, só pra ver a cara de bobo deles e se emocionar com isso. E tem aquela regra sobre as demais pessoas: contar só depois de três meses completos de gravidez, quando a chance de perda do bebê cai bastante. Bom, na teoria eu acho que faz sentido, mas... e na prática? Cada vez que a gente vai ao banheiro vomitar até os pecados, diz o quê ao chefe? "Foi o marisco do almoço"? Ou "É culpa do seu estilo de gerenciamento, que me dá náuseas"?

Fica meio impossível esconder. Seria preciso inventar mentirinhas sobre as consultas, sobre os exames frequentes, sobre a não-possibilidade de encher a cara no happy hour, sobre o nojo que dá o cheiro de perfume da sua vizinha de mesa. Muito complexo. E, além do mais, eu acho meio duvidoso. Pois se a tragédia de perder o bebê vier, vai querer me enganar que será "levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima"? Sem dizer nada aos amigos, colegas e etc.? Impossível. As lágrimas iam denunciar tudinho e as explicações viriam de qualquer modo - só que acompanhadas de incômodos olhares de pena.

Por isso já me chamaram muito de língua solta, corneteira etc.. Eu sei, contei sobre as minhas filhas em detalhes, intimidades e na rede mundial de computadores. Eu sei, é ousado. Mas acontece que a alegria é tão grande nessa hora que, caramba, guardar segredo só entre mim e aquele escatológico teste de caixinha seria um desperdício. Então eu grito "bebê à vista!" para quem quiser ouvir!

12 comentários:

mihuda disse...

Assim como vc conta com muita alegria, o que é totalmente compreensível, pode deixar que leio com mais alegria ainda. Mal posso esperar para ver o que a Sasá vai aprontar como irmã mais velha, o que o pacotinho em si aprontará! De novo muitas felicidades à toda a família! :D beijicos

Adri Brier disse...

Amei esse texto Flá. To louca pra segurar mais uma sobrinha linda no colo...Beijos. Dri

Nanael Soubaim disse...

Até eu fiquei com cara de bobo e sorrindo para as paredes. Os planos de construir o Cadillac continuam, agora com cadeirinha embutida.

Gabi Petrucci disse...

A sua alegria toda contagia, Flá!
É lindo ler isso!
Vocês merecem toda felicidade!

Beeijo!

Fabiana disse...

Eu entendo vc, mas fui completamente diferente, só contei pro chefe do meu antigo trabalho quando tava pedindo demissão e ele perguntou o pq eu respondi: "pq estou grávida e não aguento dois empregos". Na escola teve gente que nunca soube que eu estava grávida (vantagens de ser fófis). Melhor assim, pq senão eu iria surtar com o povo todo querendo pôr a mão na minha barriga.

Josy disse...

:D Feliz por você.
Ai q invejinha boa. Queria essa emoção pra mim!
Estamos tentando há seis meses. snif...

Moniquinha disse...

Owwwnnnnnn..

Ai,eu tb chorei qdo vi os risquinhos,que cousa esquisita e chorona é grávida.

Sou caçula e foi engraçado ser mãe antes de 2 irmãs + velhas.

Uma delas eu acompanhei ao médico,ao laboratório e fui a responsável pela abertura do envelope,algo como anunciar o ganhador do Oscar..rs
Deu um frio na barrigavontadedeiraobanheiro,que vou te contar,mas foi uma delícia saber assim,de 1º,que seria tia,mais uma vez.

Lady Sith disse...

Eu faria como a Fabiana e pelo mesmo motivo. Me dá calafrios a idéia de várias pessoas, inclusive desconhecidos, passarem a mão na minha barriga e de ser o centro das atenções. Acho que não conseguiria suportar.

Mas eu fico feliz que você não tenha esse problema e nos dê a chance de acompanhar toda a sua alegria neste momento.

A Sócia da Light disse...

Ah, não, calma lá! Eu gosto de compartilhar assim, escrevendo e falando sobre. Mas também não tolero esses afagos na barriga, não! Não tenho vocação pra Buda.

:-]

Josy disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Josy disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Josy disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.