sexta-feira, 21 de maio de 2010

Dessas esquisitices senis

Aí a gente lembra que criança tem muita mania, mas que isso não é nada comparado aos velhinhos. Vovôs e vovós, minha nossa, tiveram uma vida inteira pra amealhar suas esquisitices - as mais piradas esquisitices, claro.

Minha saudosa Vó Ondina tinha uma seleção delas, aquela maluca. Primeiro que ela jamais usou calças. Isso aí: ela dizia que não ficava bem uma senhora de cabelo branco usar calças. Minha vó não conheceu Coco Chanel, por certo... Aliás, minha vó morreu sem acreditar que o homem foi mesmo à Lua, que dirá conhecer os conceitos da revolucionária estilista!

Vó Ondina sempre tomava o suco de um limão espremido antes de dormir (talvez daí ter vivido até os quase 90 anos). E como dormia cedo... Acabava o Jornal Nacional, ela se recolhia. Não curtia novela das 20h, só das 18h e das 19h - e sempre xingando alto os vilões folhetinescos com palavras as mais engraçadas, como "miserento!".

Velhinhos e velhinhas são assim, encaram bem ressabiados as coisas que lhe fogem do conhecimento. As "coisas modernas", vá - mesmo que por "moderno" entenda-se um telefone. Pois minha amiga Vivi sempre me matou de rir com as histórias de sua adorável vovó. Depois das 16h, bastava tocar o telefone pra Vó soltar seu batido "ai, meu Deus, quem será uma hora dessas?". Bom, podia ser... QUALQUER UM? 16h, Vó!

Obviamente, eu adotei o bordão da velhinha imediatamente. O pessoal aqui já nem se espanta quando, segunda-feira ao meio-dia, lá estou eu apanhando o telefone e dizendo "ai, meu Deus, quem será uma hora dessas?". Tão divertido! Manias de velhinho não são, como muitos pensam, essas esquisitices chatas de quem perdeu lugar no tempo. Muitas vezes a gente age assim, como se eles já tivessem dobrado o cabo da sanidade, e os trata como pirados. Mas eles estão ligados... pelo menos quando importa.

Ontem mesmo eu soube da coisa mais incrível dos últimos tempos. Meu pai foi visitar sua fofa mãe, Vó Emília. Vó Emília está lá, firmona, mesmo com a voz e a memória meio zoadinhas por causa de um derrame. Mas do que ela quer lembrar, lembra muito bem.

Meu pai em visita, ela foi ao quarto, abriu o guarda-roupas secular, tirou uma caixa. De dentro, apanhou o conteúdo, veio à sala e depositou tudo nas mãos em concha do meu pai. Bolinhas de gude. Um punhado gordo de bolinhas de gude. E quando ele disse "que é isso, Mãe?", ela explicou: "ah, é que eu tomei de você quando você era moleque. Tinha feito uma malcriação. Agora pode levar de volta".

Sim, minha Vó Emília guardou as bolinhas confiscadas por 60 anos. Mas lembrou de devolver. Justiça, ainda que tardia, é a mais incrível das esquisitices de velhinhos, não?

11 comentários:

mihuda disse...

Velinhos são figuras. Mais que manias, eles "ultrapassados" pela tecnologia aprendem a lidar com as coisas do jeito deles. Como minha avó que toda vez que "aprontava" e ia levar um sermão, desligava o aparelho de audição e ficava lá, toda pamplina, sem se abalar. Ou a mania que ela tinha de consertar tudo com durepox. Já meu vô gostava de tudo bem bonito, então pintava os remendos de durepox com tinta prata, pra dar aquela impressão metálica bonita. Hahaha...
Adoro!

Anônimo disse...

Excelente essa historia da bolinha de gude hahahahaha!!! Que fofa!!! Minha avó nunca usou calça também, nem de pijama... diz ela que não se acostuma rsrs. Beijos Flá! Tia Dri

A Sócia da Light disse...

Não é demais essa história, Dri?? Minha mãe disse que ele chegou de volta em casa e contou tudo incrédulo, quase chorando... E quem conhece meu pai, o xerox do Clint Eastwood em Gran Torino, sabe que isso não é nem um pouquinho típico dele! :-]

A Sócia da Light disse...

Paulinha, eu acabei de ler a parte sobre o durepox e estou cho-ran-do de rir aqui! Mamma mia, esses velhotes são uns figuras!! Rss!!!

Patty Maionese disse...

Que demais essa história da bolinha de gude! =)

Ahahaha, eu SEMPRE digo 'quem será numa hora dessas' quando o telefone toca em casa. E digo naturalmente. Sou uma jovem de alma velha.

Beijos, Flá!

M-ly disse...

Minha vó também era hilária... Já no auge dos seus 81 anos, ela se arruma toda (tbm não usava calça jeans)e diz: - Vou ao baile!
Todos incredulos se olham e seguram o riso. Minha tia diz: - Mas mamãe, a senhora tem idade pra isso?!
- Eu tenho 18 anos, minha filha!!- fala minha vó com segurança.
- Vó, a senhora tem 81 anos! - Diz minha prima.
Lá vai minha vó atrás de um espelho. Quando ela vê o próprio refelxo: - Ahh, é mesmo!! Mas eu jurava que tinha 18. Bom, mas eu já tive, né!

Todo mundo caiu na risada!!

Amigo do seu Jaime disse...

hahahahahahahahahahaha!
- Taqui suas bolinhas de gude que te tirei aos 8 anos. Pronto! Pode ir lá jogar...

hahahhaahhahahahaa! Excelente. Excelente mesmo!

Nanael Soubaim disse...

Gostei dessa avó, tão disciplinadora que castigou o rebento por sessenta anos. Nem quero saber o que ele fez, se sou ber eu tomo as bolinhas de volta por mais sessenta anos... na verdade eu não posso falar de velhote cheio de manias nenhum, não tenho moral para isso.

Gabi Petrucci disse...

Ai que fooofa! *-*
A história da M-ly me lembrou minha bisa, que pouco antes de falecer ficou algum tempo no hospital e voltou dizendo que tinha arrumado um namorado e finalizou dizendo: "deve ser por causa dos meus lindos olhos azuis!". Saudadezinha.
Queria ter visto a reação do seu pai!

Beijo!

Amber disse...

Pois é! Tem cada Vovô muito fofo né!
Meu avó tinha mania de colocar tudo que estivesse dentro da fruteira em cima da mesa na hora do almoço, dentro do nosso prato de comida, por exemplo quando tinha amêndoas perto da época do natal, ou avelãs, lá estávamos nós comendo do lado dele e ele rindo disfarçadamente e colocava dentro do nosso prato, de brincadeira é claro! E ficava aquela amêndoa do lado do feijão! Rs rs.

Moniquinha disse...

Ahahah[

amei sua vó ter devolvido as bolinhas...

será que aquela vizinha que não devolvia as bolas,vai fazer isso?rs