quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

De onde a gente vem

Nossa Senhora dos Parentes está de prova: Sabrina anda numa incrível e infindável fase "árvore genealógica". Não demora um minuto de conversa com qualquer pessoa para ela começar com "quem é a mãe da sua mãe?". E, se vem a resposta nominal, ela já aproveita e pergunta logo do pai do pai do seu pai, dos tios, dos primos...

Ontem e hoje, com a visita da Vovó Conceição aqui em casa, essas sessões de regressão familiar pululam! Hoje já tivemos um inestimável papo sobre os pais da Vovó e os pais destes. Sasá ficou ciente de que o biso se chamava Álvaro e era um português lindo de morrer. E que a bisa era italianona. E que o tio Álvaro Filho já morreu, mas que a tia Antonieta mora ainda hoje em Jundiaí (e deus permita que a Sabrina não resolva fazer uma visita a ela só pra começar com outro "quem era a mãe da sua mãe?"... senão logo estaremos esbarrando no sangue de Machado de Assis, de Dom Pedro ou dos faraós).

A perguntação pelo menos rende frutos muito reveladores. Pra mim, por exemplo, está tudo se explicando. Já sei de onde vêm minha predileção por viagens (do vô que trabalhava na Fepasa), meus problemas oculares (da Vó Ondina), o excesso de peso (da italianona, por certo) e a contribuição do bisavô Álvaro. Não, não foi a boniteza. Foi o bigode português mesmo.

6 comentários:

Gabi Petrucci disse...

Aaaah que fofa!
Sabe que ainda hoje eu tenho essas dúvidas, porém não me sinto a vontade para fazer perguntas assim pra vovó.
Deixe que ela pergunte, assim terá menos dúvidas na adolescência! :P

Fabiana disse...

Ufa, pensei que a Sá já queria saber de onde vem os bebês.

mihuda disse...

Sei bem como a Sasá se sente, sempre fui louca por histórias de família, ainda mais com o fato dela ser bem internacional. Meus avós maternos poderiam ser personagens de um livro. Meu avô era filho de italianos nascido em Amparo, que perdeu a mãe cedo e foi criado pelas irmãs. Já minha avó era uma linda austríaca linha dura que veio para o Brasil fugindo da I Guerra. Minha bisa pela parte da Vovó era de família nobre mais foi deserdada por ter se apaixonado e casado com um plebeu... O legal disto é que nunca se sabe o que aconteceu lá atrás! Experiência enriquecedora!

Dri_ disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

muito riso por aqui! Muito!

Principlamente pelo último parágrafo rsrsrs

Nanael Soubaim disse...

Não sei de onde saiu a parte física que me cabe, francamente tenho receios em saber. Deixe a pequenininha fazer suas investigações, ela só tem a ganhar sabendo de onde vêm suas tranças; pode estar nascendo uma heraldista na família.

Moni disse...

Eu tb adoro essas histórias, mas meu pai nunca sabe nada :S